quinta-feira, 10 de abril de 2008

PEQUIM MUITO LONGE DE COUBERTIN

Quando o Barão Pierre de Coubertin idealizou as Olimpíadas da era moderna, iniciadas em Atenas, em 1896, seu objetivo era destacar os aspectos morais e éticos, queria mostrar o esporte como uma atividade nobre, parte da educação e da formação de uma juventude saudável e sem vícios. Daí veio o lema; o importante é competir, mas competir respeitando as regras. As olimpíadas foram recriadas para ser uma forma de confraternização entre atletas e nações.
Desde então os valores difundidos por Coubertin muitas vezes foram substituídos por política, doping e brigas de fabricantes de produtos esportivos.
Nas Olimpíadas de Berlim (1936), o chanceler alemão Adolf Hitler,queria provar a superioridade da raça ariana, e teve que engolir as quatro medalhas de ouro do atleta norte-americano, negro, Jesse Owens.
Nas Olimpíadas da Alemanha em Munique (1972), um atentado do grupo terrorista palestino Setembro Negro, matou 11 atletas da delegação de Israel. A partir deste fato, todos os Jogos Olímpicos ganharam uma preocupação com a segurança dos atletas e dos envolvidos nos jogos.
Em 1980 os EUA boicotaram os jogos de Moscou protestando contra a invasão Soviética no Afeganistão, logo quem protestando contra invasões.
Em 1984 foi a vez do Bloco Soviético boicotar os jogos de Los Angeles alegando falta de segurança, eu ainda lembro o quanto foi emocionante a entrada da delegação da Romênia na abertura dos jogos, único pais da Cortina de Ferro a comparecer nos jogos.
De 88 em Seul para cá muitos protestos políticos foram realizados, mas o que mais vem acontecendo é uso de Doping.

Em Pequim os valores olímpicos estarão em segundo plano, o que se vê desde já é uma serie de protestos contra as posições ditatoriais do governo chinês. A passagem da tocha olímpica (que foi motivo de grande festa aqui no Brasil em 2004) está virando uma rotina de protestos contra a ação chinesa no Tibet. E diga-se que os protestos são justos, e por mais que o esporte não deva estar ligado à política, é impossível não ligar uma coisa a outra. Ontem foi deprimente ver os atletas carregando a tocha escoltados por policiais em San Francisco.

A China é uma ditadura, fato. Mas enquanto ser uma ditadura interna é problema deles, mas interferir na soberania de um país vizinho é algo que deve ser alvo de protesto sim.
Eu não tenho duvida que a China fará uma olimpíada linda, mas que servirá de propaganda política de seu desumano regime político. Assim como faziam os países do Bloco Soviético e a pequena Cuba.

Se os EUA se preocupam tanto com democracia no mundo porque não lideram um boicote à Pequim ?
Por mais que eu goste de esporte, e com certeza assistirei a tudo o que eu puder dessa olimpíada, a foto abaixo retrata bem o sentimento que fica sobre a China.

Você consegue assistir tudo calado ? diz o cartaz do pequeno tibetano.

3 comentários:

J@de disse...

Oi, vim comentar aqui apenas para lhe dar parabéns pelo excelente comentário lá na Papo de Homem!

Tenho 44 anos, sou separada e raramente encontrei um homem tão maduro e tão respeitoso com relação à sua mulher e o casamento.

Seu comentário deveria ser transformado num post!!

Beijos para vc e sua esposa, fico contente e até um pouco esperançosa quando sei que ainda pode existir uma relação tão bem descrita!!

Café d' Avó disse...

Muito legal essa post... pensemos nos nosso filhos... num mundo livre ejusto.. eu não vou assistir nada...vai lá no café da você tem um jogo para você participar...

thiago disse...

e continuo contra as olimpíadas na china...